top of page

DESVENDANDO O MEDO DE FALHAR: ANSIEDADE SOCIAL EM DESTAQUE

Para muitas pessoas, o contato social pode ser uma fonte de grande apreensão. Enquanto alguns aproveitam festas e reuniões, outros já planejam como sair antes mesmo de entrar em uma sala.


Segundo o professor assistente de psicologia, Fallon Goodman, para os 40 milhões de americanos que enfrentam o transtorno de ansiedade social, desde jantares lotados até encontros individuais para um café, essas situações não são apenas desconfortáveis, mas também podem ser verdadeiros tormentos.


De acordo com Goodman, mais de 12% dos americanos serão diagnosticados com transtorno de ansiedade social em algum momento de suas vidas. Ela conduz pesquisas sobre essa condição em seu Laboratório de Emoção e Resiliência na Universidade George Washington, no Columbian College of Arts and Sciences (CCAS). Entre os afetados, encontramos figuras notáveis como a campeã de tênis Naomi Osaka e a vencedora do Oscar Viola Davis.


Embora muitas vezes sejam rotulados como introvertidos ou tímidos, Goodman enfatiza que essa condição não é inofensiva ou temporária. Embora cada caso de ansiedade social seja único, está associado a um maior risco de abuso de substâncias e outras condições mentais, como a depressão.


O mais preocupante, segundo Goodman, é que a ansiedade social leva as pessoas a se isolarem das interações, privando-as do que ela chama de seu recurso mais valioso: outras pessoas.


"Os seres humanos têm uma tendência natural de se conectar uns com os outros", diz ela.


"Mas a ansiedade social impede as pessoas de viverem a vida que desejam."


No cerne disso, a ansiedade social está ligada ao medo de rejeição, explica Goodman. Enquanto todos enfrentam rejeições em algum momento de suas vidas, para as pessoas com transtorno de ansiedade social, essa rejeição se entrelaça com a forma como se veem.


"Elas acreditam que foram ignoradas porque não são suficientemente amáveis", esclarece Goodman. "Acreditam que perderam uma oportunidade de emprego porque não são suficientemente inteligentes." E a cada situação estressante, torna-se mais difícil para elas se arriscarem a enfrentar a possibilidade de serem rejeitadas novamente. "Para algumas pessoas, a rejeição é tão dolorosa e traumática que elas evitam sistematicamente interações sociais ao longo da vida", afirma ela.


Goodman trabalha com jovens que sofrem de ansiedade social há bastante tempo e testemunhou crianças evitando brincar com seus colegas e adolescentes resistindo ao contato visual. Ela expressa frustração ao ver uma criança de seis anos evitando intencionalmente uma das melhores partes da experiência humana: conectar-se com outras pessoas.


A própria Goodman nunca havia experimentado a ansiedade social em toda a sua intensidade até embarcar em um voo impulsivo para a Austrália durante seu doutorado. Isolada em um albergue em Melbourne, ela percebeu que, assim como as pessoas com ansiedade social, buscava indícios sobre as normas sociais. Analisou cada encontro em busca de sinais de aprovação ou desaprovação, concentrando-se intensamente em como suas roupas e modo de falar se diferenciavam dos outros ao redor.


"Em todas as comparações sociais, eu errava o alvo", diz ela. Lutou contra o desejo de se isolar em seu quarto, em vez de abordar outros viajantes. "Aprendi uma lição sobre a ansiedade social", conclui. "É uma sensação paralisante."


No laboratório CCAS, Fallon e sua equipe de cinco pesquisadores de pós-graduação investigam como as pessoas superam a ansiedade social, constroem relações duradouras e promovem a resiliência diante da adversidade. Muitas de suas pesquisas utilizam smartphones para capturar emoções à medida que acontecem em tempo real, identificando as situações cotidianas que exacerbam a ansiedade social.


Seu trabalho foi divulgado em mídias nacionais, incluindo CNN, The Washington Post e Harvard Business Review, e sua palestra TED de 2021 sobre ansiedade social foi assistida mais de um milhão de vezes.


Embora o transtorno de ansiedade social seja uma das condições mentais mais comuns no mundo, e, segundo Goodman, relativamente fácil de diagnosticar com algumas perguntas, muitas vezes é mal compreendido e diagnosticado de forma inadequada.


Goodman frequentemente desmistifica equívocos comuns sobre a condição, como a ideia de que as pessoas com ansiedade social preferem ficar sozinhas.


"Eles não escolhem se isolar em casa. Querem conexões fortes tanto quanto qualquer outra pessoa", afirma ela.


De fato, os participantes do seu laboratório frequentemente relatam que, apesar do medo da rejeição, se sentem animados ao socializar.


"Isso destaca o poder das relações e da conexão social", afirma ela. "Ao enfrentar o que temem, eles acabam se sentindo melhor."


Goodman frequentemente sugere praticar a "coragem social". Encoraja as pessoas a se exporem intencionalmente a situações que, de outra forma, estariam muito ansiosas para desfrutar. "Na maioria das vezes, descobrem que seus maiores medos não se concretizam", assegura.


No entanto, ela alerta contra minimizar as experiências de grupos que estão mais propensos à rejeição, incluindo a comunidade LGBTQ+. Um projeto de seu laboratório, liderado pelo candidato ao Ph.D. em psicologia clínica, Paddy Loftus, está examinando como as percepções de risco de discriminação afetam as atividades diárias das pessoas LGBTQ+.


"Queremos promover a coragem social e fornecer às pessoas as ferramentas para lidar com a rejeição quando ela acontece", diz ela. "Mas também precisamos entender que nem todos enfrentam a rejeição da mesma forma em nosso mundo."


Mesmo assim, Goodman se sente encorajada pelas pessoas que usam suas plataformas para ajudar a reduzir o estigma e corrigir equívocos prejudiciais - seja celebridades internacionais como Osaka ou conversas abertas em comunidades, escolas e locais de trabalho.


"Ainda temos um longo caminho a percorrer para compreender a ansiedade social e não equipará-la a uma fraqueza", diz ela. "Mas neste mundo altamente conectado, uma pessoa tem um grande poder. Elas podem usar suas plataformas para criar mudanças significativas e duradouras."


Leia mais em: https://neurosciencenews.com/rejection-fear-social-anxiety-22824/



9 visualizações0 comentário
bottom of page